quarta-feira, 18 de março de 2015

DE VOLTA PARA OS BONS TEMPOS: Mauro Faccio Gonçalves, mais conhecido como Zacarias - Fotos, biografia, vídeos e curiosidades

Há 25 anos falecia o trapalhão Zacarias. Relembre sua trajetória com fotos, vídeos e curiosidades
Zacarias

Há 25 anos falecia Mauro Faccio Gonçalves, mais conhecido como Zacarias. Um dos maiores e mais queridos humoristas do Brasil em todos os tempos e um dos integrantes de “Os Trapalhões”. Mauro morreu aos 56 anos, vítima de insuficiência respiratória.

O mineiro, nascido da cidade de Sete Lagoas, foi o último a entrar no grupo - do qual já faziam parte Renato Aragão, o Didi; Manfried Santana, o Dedé; e Antônio Carlos Bernardes Gomes, o Mussum – morto em 1994, por conta de um transplante de coração mal sucedido.

Relembre abaixo a biografia, curiosidades, fotos e vídeos deste inesquecível trapalhão que marcou a vida de milhões de pessoas em todo o Brasil:

  • Biografia

Mauro nasceu em uma família humilde com onze irmãos. Nascido em Sete Lagoas, cidade do interior de Minas Gerais. Antes de se tornar famoso, foi vendedor de sapatos e trabalhou em uma fábrica de café, onde seu pai já trabalhava.


Mauro estudou no Colégio Diocesano Dom Silvério de Sete Lagoas. Começou a carreira no rádio em 1955, na Rádio Cultura de Sete Lagoas, num programa humorístico chamado Em Babozal Era Assim. No ano seguinte, formou-se técnico em contabilidade pela Escola Técnica de Comércio de Sete Lagoas. Através do humor, logo tornou-se conhecido pela habilidade de trocar de vozes, criando vários tipos completamente diferentes, e de imitar animais com rara perfeição.


Antes de ganhar fama com a carreira de comediante, Zacarias foi vendedor de sapatos e bancário. Neto de imigrantes italianos, ainda jovem se mudou para Belo Horizonte, onde começou a trabalhar na Rádio Inconfidência. Depois transferiu-se para a TV Itacolomi, onde participou de programas como "Tribunal de Calouros".

Os Trapalhões com Xuxa

Mudou-se para Belo Horizonte em 1957, onde tentou estudar Arquitetura, trabalhando ao mesmo tempo como bancário. Porém, dificuldades financeiras o impediram de iniciar o curso. Na capital mineira, Mauro trabalhou na Rádio Inconfidência, fazendo três programas, sendo que o que mais o marcou como comediante foi Arte Final. Logo veio o reconhecimento: foi considerado o melhor comediante do rádio de 1960 a 1963. Ainda em Belo Horizonte, fez sua estreia na televisão, na TV Itacolomi, no programa Tribunal de Calouros.

Os Trapalhões com Beto Carreiro

Em 1963, recebeu uma proposta para trabalhar na TV Excelsior do Rio de Janeiro, a convite de Wilton Franco. Apesar da timidez - que inicialmente o impedia de trabalhar natelevisão - Mauro estreou em um programa de calouros, onde criou cinco personagens, incluindo o Garçom Moranguinho, fazendo grande sucesso inspirado num garçom da terra natal dele. Mais tarde, foi para a Rede Record, para fazer parte do elenco de A Praça da Alegria e Os Insociáveis Sua participação no programa fez com que Renato Aragão o convidasse para ser efetivado no grupo de "Os Trapalhões". Mauro foi o último a integrar o grupo, do qual já faziam parte Didi, Dedé e Mussum, completando assim a formação do quarteto em 1976.


Além do personagem Zacarias, Mauro Gonçalves também era a voz que interagia com o personagem Aparício, interpretado por Renato Aragão, e fez um filme com Roberto Machado, intitulado Deu A Louca Nas Mulheres. Em 1970, foi premiado pela sua interpretação na peça "A Dama do Camarote". Permaneceu no grupo de "Os Trapalhões" até 1990, ano em que faleceu. Seu último filme foi Uma Escola Atrapalhada.

Com a Mãe Dona Virgínia

Zacarias foi casado durante 17 anos com a atriz Selma Lopes e deixou uma filha e três netos.

Brinquedos dos Trapalhões

De acordo com o informações do Memória Globo, na época da morte de Zacarias Renato Aragão chegou a cogitar o fim do grupo. Ele conta que, uma vez decidido que eles continuariam a trabalhar como forma de homenagear a memória de Zacarias, a estrutura de "Os Trapalhões" precisou ser reinventada de forma a suprir a ausência do comediante.

Os Trapalhões com Roberto Carlos

De fato, o programa que foi ao ar naquele ano, com direção de Wilton Franco e supervisão de criação de Chico Anysio, passou a ser dividido em duas partes. A primeira apresentava shows musicais e esquetes de humor em que Didi, Dedé e Mussum contracenavam com vários comediantes convidados, como Jorge Lafond e Tião Macalé. A segunda parte trazia sempre uma aventura passada no Trapa Hotel.

Em cena em seu último filme "Uma Escola Atrapalhada"

  • O Trapalhão Zacarias

Zacarias era caracterizado pelo jeito infantil e ligeiramente afetado (embora sem conotação homossexual), pela peruca (Mauro Gonçalves era calvo) e pela risada característica. Mauro dizia que "Zacarias" era o nome de um galo que ele tinha na infância, e desde pequeno o chamavam assim.


Seu personagem foi o mais caricato de todos, marcado por seu dentes saltados e sua risada inconfundível, e pelo constante assédio à sua peruca (sempre que alguém ou algo roubava sua peruca, ele desesperadamente lutava para recuperá-la em meio a choros e lamúrias).


Em 1974 integrou-se aos Trapalhões, participando de inúmeros programas de TV e filmes para o cinema. Em 1990 fez seu último longa-metragem: "Uma Escola Atrapalhada".

  • Morte

Em Dezembro de 1989, Zacarias resolveu por conta própria iniciar um regime a base de remédios. O humorista acabou perdendo vinte quilos, porém como consequência, seu organismo enfraqueceu chegando até a atingir os pulmões.3 Zacarias acabou sendo internado por nove dias na Clínica São Vicente no Rio de Janeiro e faleceu em 18 de março de 1990, aos 56 anos, de insuficiência respiratória. O humorista foi enterrado em sua cidade natal em Sete Lagoas no Cemitério Parque Santa Helena.

  • Discografia:
1975 - Zacarias e Lucrécia 

1979 - Os Trapalhões na TV

1981 - o Forró dos Trapalhões

1981- Os Saltimbancos Trapalhões

1982- Os Trapalhões na Serra Pelada

1982 - Os Vagabundos Trapalhões

1983 - Zacarias - "Com Você Quero Brincar" 

1984 - Os Trapalhões e o Mágico de Oróz

1984 - Os Trapalhões

1984 - A Filha dos Trapallhões

1985 - Os Trapalhões no Reino da Fantasia

1986 - Os Trapalhões no Rabo do Cometa

1987 - Os Trapalhões

1988 - Os Trapalhões


  • Filmografia:
  • Com Os Trapalhões
1978 - Os Trapalhões na Guerra dos Planetas 

1979 - O Cinderelo Trapalhão 

1979 - O Rei e os Trapalhões 

1980 - O Incrível Monstro Trapalhão 

1980- Os Três Mosquiteiros Trapalhões 

1981 - O Mundo Mágico dos Trapalhões 

1981 - Os Saltimbancos Trapalhões 

1982 - Os Vagabundos Trapalhões 

1982 - Os Trapalhões na Serra Pelada 

1983- O Cangaceiro Trapalhão 

1983 - Atrapalhando a Suate 

1984 - Os Trapalhões e o Mágico de Oróz 

1984 - A Filha dos Trapalhões 

1985 - Os Trapalhões no Reino da Fantasia 

1986 - Os Trapalhões e o Rei do Futebol

1986 - Os Trapalhões no Rabo do Cometa 

1987 - Os Trapalhões no Auto da Compadecida 

1987 - Os Fantasmas Trapalhões 

1988 - Os Heróis Trapalhões – Uma Aventura na Selva 

1989 - O Casamento dos Trapalhões 

1989 - Os Trapalhões na Terra dos Monstros 

1989 - A Princesa Xuxa e os Trapalhões 

1990 - Xuxa e Os Trapalhões em O Mistério de Robin Hood

1990 - Uma Escola Atrapalhada 

  • Carreira solo
1971 - Tô na Tua, Ô Bicho
1973 - O Fraco do Sexo Forte
1977 - Deu a Louca nas Mulheres

  • Quadrinhos
Publicações das revistas de histórias em quadrinhos de Os Trapalhões foram publicadas no Brasil entre os anos 80 e 90, respectivamente pelas editoras Bloch Editores e Editora Abril.


Bloch Editores

A Bloch Editores foi responsável pela publicação da primeira fase das revistas de histórias em quadrinhos dos Trapalhões, entre 1976 e 1987 e pela terceira em 1996 com "Os Trapalhões:Aventuras do Didi" 

Por esta editora as histórias baseavam-se no famoso programa de televisão transmitido pela Rede Globo, com situações cotidianas bastante cômicas de Didi, Dedé, Mussum eZacarias. Também o ponto forte dessa fase de revistas eram as várias paródias de heróis clássicos e também de heróis de filmes e desenhos animados que se fizeram famosos nos anos 80. Do ano inicial até 1985 as edições eram nomeadas: Os Trapalhões, Almanaque dos Trapalhões (especial) e As aventuras do Didi. De 1986 até 1987 as edições normais trocaram o formatinho pelo formato americano e foram renomeadas para Super-Trapalhões e Didi: Passatempos e Quadrinhos .

Elenco de desenhistas: Carlos Alberto Miglllorin, Domingos A.Souza, Eduardo Vetillo, Waldemar Watanabe, Waldir Odorisso, Vanderley Feliciano, João Andrade, Ubiratan Dantas (este último já colaborou anteriormente na edição deste artigo).

Criação e produção: Ely Barbosa Edições Comerciais Ltda.


Editora Abril

A Editora Abril foi responsável pela publicação das revistas dos Trapalhões do ano de 1988 até 1993, quando teve seu fim definitivo. As edições eram nomeadas Revista em quadrinhos dos Trapalhões, Almanaque dos Trapalhões e As aventuras dos Trapalhões (nesta última edição citada as histórias eram somente baseadas em paródias de personagens de filmes, desenhos e novelas). Por essa editora as histórias eram desenhadas pelos desenhistas César Sandoval (responsável pelo character design), Watson Portela e o roteirista Marcelo Cassaro o quarteto eram quatro garotos e suas histórias consistiam em fatos cotidianos de sua turma, como namorar meninas bonitas, brigar contra grupos de garotos rivais e Didi pregar peças em seus três companheiros. Nessa fase da revista responsável pela Editora Abril, Zacarias foi nomeado como "Zacaria".

Criação e produção: Sketch Filmes

  • Vídeos
  • Globo Repórter contando vida e carreira de Zacarias
video

  • Fantástico dá a notícia da morte de Zacarias
video

  • Globo Repórter - Adeus Zacaria - Parte 1
video

  • Globo Repórter - Adeus Zacaria - Parte Final
video

  • Fotos

















 








































Fontes: Wikipedia e G1
Fotos: Divulgação e Arquivo Globo