quinta-feira, 21 de setembro de 2023

Em Tóquio, José Roberto Guimarães encontra viúva do lendário treinador japonês Yasutaka Matsudaira

Em Tóquio, José Roberto Guimarães encontra viúva do lendário treinador japonês Yasutaka Matsudaira

O tricampeão olímpico José Roberto Guimarães viveu momentos de emoção nesta quinta-feira (21.09), em Tóquio, no Japão. O técnico da seleção feminina recebeu um convite para visitar Toshie Matsudaira, de 91 anos, viúva do lendário treinador japonês, Yasutaka Matsudaira. Zé Roberto tem no técnico que liderou o Japão na conquista do ouro nos Jogos Olímpicos de Munique, em 1972, uma das referências na carreira. Na década de 70, o brasileiro participou de um estágio de treinamento de 40 dias com o técnico japonês, no Japão, e estabeleceu uma relação de amizade que permaneceu ao longo dos anos. Matsudaira faleceu em 2011, mas os ensinamentos continuam com o tricampeão olímpico. O encontro com Toshie Matsudaira foi emocionante para ambas as partes. A ex-jogadora Yuko Arikada, campeã olímpica com o Japão em 1976, intermediou o momento.

“Nossa amizade ficou muito forte e todas as vezes que eu vinha no Japão com a seleção masculina e depois a feminina, o Matsudaira sempre fazia questão de estar presente. Depois que ele faleceu, sua esposa manteve a tradição e foi nos meus jogos. Ela sempre ia nas partidas e me cumprimentava. Eu ficava muito feliz e só tenho agradecimentos pelo que o Matsudaira e o voleibol japonês fizeram por mim. Quando recebi a mensagem que a senhora Matsudaira queria me receber na sua casa fiquei muito honrado. Foi um momento lindo e de muita emoção”, diz José Roberto Guimarães, que nunca esqueceu os ensinamentos do técnico japonês.

“Ele me ensinou o esforço sem limite. A persistência, o nunca desistir, o ir até a última bola e que os sacrifícios fazem diferença no resultado. O mais importante é que você saia da quadra com a cabeça que você fez o melhor. O voleibol é muita repetição, muito treinamento e coletividade”, afirma José Roberto Guimarães.

O primeiro encontro entre José Roberto Guimarães e Matsudaira aconteceu no início da década de 70 em São Caetano do Sul. “O Matsudaira foi dar um curso para treinadores no Brasil. Eles recrutavam jogadores jovens para participar. Eu estava na faculdade e fui um dos convidados. Sempre fui um fã incondicional do voleibol japonês. Eu era muito fã do Nekoda, levantador japonês que foi campeão olímpico em 1972. Comecei a conhecer o voleibol japonês nessa época. O Matsudaira falou que eu parecia o Nekoda. Isso para mim foi a glória. Eu tentava imitar os gestos e postura dele no levantamento. Nesse momento pensei que eu poderia ir para o Japão”, conta José Roberto Guimarães.

O treinador brasileiro falou com Antônio Carlos Moreno, jogador do seu time em Santo André e amigo de Mastudaira, que gostaria de fazer um estágio com o lendário treinador japonês. Moreno fez a ponte e o convite aconteceu. “O Matsudaira me convidou para passar um período no Japão. Nesse momento minha vida começa a mudar. A CBV decide mandar mais quatro jogadores brasileiros para o Japão, William, Danilas, Fernandão e Bebeto. O Santo André, time de São Paulo, manda mais um jogador, o Mané, e viemos nós seis para o Japão. Passamos 40 dias treinando, na universidade, e com a seleção japonesa. Eu treinei ao lado do meu ídolo, o Nekoda”, conta José Roberto Guimarães.

“O Japão era naquela época o melhor time do mundo. O sonho do Matsudaira era que o voleibol superasse o futebol e se tornasse um esporte mundial. Nós seguimos batalhando para isso”, garante José Roberto Guimarães, que lidera a seleção feminina nesta sexta-feira no quinto desafio no Pré-Olímpico, em Tóquio, no Japão. O Brasil duela com a Turquia, às 4h (horário de Brasília), com transmissão ao vivo do sportv 2.

No Pré-Olímpico, o Brasil está no grupo B ao lado de Argentina, Peru, Bulgária, Porto Rico, Turquia, Bélgica e Japão. As equipes jogam entre si e as duas mais bem classificadas garantem um lugar nos Jogos de Tóquio. Depois das quatro primeiras rodadas, as brasileiras aparecem na terceira colocação, com 11 pontos (quatro vitórias – Argentina, Peru, Bulgária e Porto Rico). O Japão lidera, com 12 pontos, seguido pela Turquia, que também tem 12, mas um saldo de sets pior do que as japonesas.

Foto: Maggie Cheung