sexta-feira, 29 de setembro de 2023

Na volta da seleção masculina ao Maracanãzinho, memórias do ouro no Rio 2016 são inspiração para campeões olímpicos que buscam vaga em Paris 2024

Na volta da seleção masculina ao Maracanãzinho, memórias do ouro no Rio 2016 são inspiração para campeões olímpicos que buscam vaga em Paris 2024

Para a seleção masculina, entrar no Maracanãzinho esta semana é voltar ao passado com a cabeça no futuro. No dia 21 de agosto de 2016, Bruninho, Lucão, Lucarelli, além de membros da comissão técnica, estavam no ginásio comemorando o ouro olímpico nos Jogos do Rio 2016. A partir deste sábado (30.09), é lá que eles vão em busca de uma vaga para Paris 2024 no Pré-Olímpico no Rio de Janeiro.

“A sensação é incrível, com a recordação de momentos que ficaram eternizados. Os momentos mais bonitos da minha carreira foram aqui dentro. Os Jogos Olímpicos foram sem dúvida o momento mais incrível da minha carreira, e poder sentir de novo essa energia é incrível. A gente espera que o público venha, nos apoie, porque é um grande sonho nosso garantir essa vaga para os Jogos Olímpicos aqui, e a gente está muito motivado para essa competição”, disse o capitão Bruno.

O Rio de Janeiro é a sede do Grupo A do Pré-Olímpico, com oito seleções disputando duas vagas nos Jogos de Paris. A seleção brasileira estreia no sábado (30.09) contra o Catar, às 10h, com transmissão do sportv 2. Na sequência, o time verde-amarelo enfrenta República Tcheca, Alemanha, Ucrânia, Cuba, Irã e Itália.

“Voltar ao Maracanãzinho com certeza me remete aos Jogos Olímpicos de 2016, e a gente está voltando justamente com o objetivo de ir aos Jogos Olímpicos. Espero que os anjos do Maracanãzinho, que nos abençoaram com o título em 2016, nos abençoem e a gente possa ir muito bem nesse classificatório e conquistar a vaga para 2024”, brincou o ponteiro Lucarelli.

“O Maracanãzinho só traz recordações maravilhosas. A gente teve o auge das nossas carreiras aqui dentro. A gente tinha a torcida a nosso favor, apoiaram o tempo todo, e isso ajudou a gente bastante. É sempre gostoso poder voltar a esse ambiente e recordar o que foi vivido aqui dentro”, contou Lucão.

Além dos três jogadores, o assistente técnico Ricardo Tabach, o auxiliar técnico Giuliano “Juba” Ribas, o preparador físico Renato Bacchi, o massoterapeuta Kleevans Albuquerque, os médicos Felipe Malzac e Ney Pecegueiro do Amaral, e o auxiliar de quadra Luciano Sobrinho também faziam parte da comissão técnica em 2016.

Foto: Mauricio Val/FVImagem/CBV