domingo, 5 de novembro de 2023

PAN SANTIAGO 2023: Gustavo "Bala Loka" leva bronze inédito no BMX Freestyle e garante a última medalha do Brasil

 Gustavo "Bala Loka" leva bronze inédito no BMX Freestyle e garante a última medalha do Brasil no Pan de Santiago


A última medalha do Time Brasil em Santiago 2023 veio com Gustavo "Bala Loka" no BMX Freestyle, modalidade que estreou no programa olímpico nos Jogos de Tóquio 2020. Neste domingo, 05, o paulista de 21 anos garantiu o bronze e colocou o país no pódio da prova pela primeira vez em Jogos Pan-americanos.

Na final, os atletas tiveram que dar duas voltas, e somente o melhor resultado foi validado. Bala Loka somou 83.67 pontos e ficou atrás apenas do argentino Jose Augusto Torres, que levou o ouro, com 86.00, e do chileno José Manuel Cedano, prata, com 85.67.

"Estou muito feliz de ter conquistado a medalha de bronze nesses Jogos Pan-americanos. Isso aqui representa demais, não só pra mim, mas para o esporte do Brasil como um todo", afirmou o ciclista.

Mais cedo, ele havia se classificado em sexto nas eliminatórias, que também exigiram duas voltas, com a pontuação final definida pela média entre as duas notas. Os oito melhores avançaram.

O garoto é um dos grandes talentos do BMX Freestyle brasileiro e vem buscando se consolidar no cenário internacional. Em 2023, ele ficou em décimo lugar no Mundial da modalidade, realizado em agosto, em Glasgow, e está na briga para se classificar para os Jogos Olímpicos de Paris 2024.

Gustavo começou a pedalar com bicicletas montadas com peças encontradas no ferro velho e se tornou referência do BMX. Em 2023, chegou ao top 12 do ranking mundial e foi o primeiro top 10 do Brasil em uma etapa da Copa do Mundo.

O apelido “Bala Loka” veio dos amigos. Ainda no início de sua trajetória, ele chegou a pedalar a toda velocidade para tentar saltar uma rampa, perdeu o controle, errou o cálculo e passou reto. Acordou depois, assustado, caído no chão, com o pai jogando água em seu rosto. Parecia uma "bala", um "louco", segundo os colegas. E o nome pegou.

No feminino, Eduarda Bordignon ficou fora da final. Ela caiu em suas duas voltas nas eliminatórias e, com 23.50, terminou em oitavo lugar no geral. Somente as quatro primeiras se classificaram para a final.

Foto: Alexandre Loureiro/COB