quarta-feira, 4 de outubro de 2023

Brasil conquista prata histórica no Mundial de Ginástica Artística Feminina por equipes

Brasil conquista prata histórica no Mundial de Ginástica Artística Feminina por equipes

A Ginástica Artística Brasileira continua a registrar façanhas históricas. Nesta quarta-feira (4), a Seleção Brasileira de Ginástica Artística Feminina, conquistou a medalha de prata na competição por equipes. Rebeca Andrade, Flávia Saraiva, Jade Barbosa, Lorrane Oliveira e Júlia Soares somaram 165.530 pontos, ficando atrás apenas dos Estados Unidos (167.729). A França completou o pódio (164.064).

O resultado é o melhor da história da participação brasileira na competição, superando o quarto lugar na edição de 2022, disputada em Liverpool.

“Ao longo da minha gestão, conquistamos medalhas olímpicas e mundiais individuais. Estava faltando justamente um resultado como esse, de uma competição por equipes. Ele comprova o que estamos dizendo há alguns anos: o Brasil hoje tem uma escola consolidada na Ginástica Artística. Embora contemos com talentos individuais excepcionais, esse resultado é produto de um movimento muito mais amplo, de um País que abraçou a modalidade, e que definitivamente sabe “fazer” ginástica. Temos gente competente trabalhando nos clubes, administradores, treinadores, fisioterapeutas, massoterapeutas, médicos e, é claro, muitas meninas incríveis espalhadas pelo País. E digo mais: aprendemos a fazer, estamos nos aprimorando e, com o Brasil cada vez mais envolvido e apaixonado por esse esporte, não vamos parar mais”, disse Maria Luciene Resende, presidente da CBG.

O Coordenador de Ginástica Artística Feminina da CBG, Francisco Porath Neto, deu destaque para o feito. “Há muitos anos a Ginástica Brasileira trabalha por um resultado como este. No ano passado, quase conquistamos a vaga olímpica antecipadamente. Isso só comprova que não se trata de um resultado acidental. É consequência do empenho e da dedicação de muita gente. Só tenho que agradecer a essas atletas por todo o trabalho duro, e aos patrocinadores da CBG por nos darem todo o apoio necessário”.

Depois de alcançar a vaga olímpica, objetivo principal no Mundial da Antuérpia, ao assegurar a quarta colocação na fase classificatória da competição, o Brasil competiu mais solto e, cometendo menos erros, brilhou com intensidade ainda maior.

A campanha brasileira da Ginástica Artística Feminina ainda está longe de terminar. A próxima jornada, nesta sexta-feira (6), será a disputa do individual geral. Pela primeira vez na história, o Brasil classificou duas atletas no primeiro grupo: Rebeca Andrade (4ª) e Flavia Saraiva (6ª).

Foto: Ricardo Bufolin/CBG