terça-feira, 31 de outubro de 2023

PAN SANTIAGO 2023: Judô do Brasil conquista prata por equipes e encerra participação com 16 medalhas

 Judô do Brasil conquista prata por equipes e encerra participação em Santiago 2023 com 16 medalhas

O judô brasileiro encerrou a participação em Santiago 2023 com mais uma medalha, a 16ª da modalidade nesta edição de Jogos Pan-americanos, atrás apenas da natação (25) no número total de conquistas. Foram conquistadas sete medalhas de ouro, três de prata e seis de bronze. Com isso, a modalidade garantiu um novo recorde no total de medalhas e no número de ouros, superando as quatro douradas e 13 pódios de Guadalajara 2011. A última vez que a equipe subiu ao pódio no Centro de Deportes de Contacto, no Parque Estádio Nacional, foi nesta terça-feira, 31, com a prata na disputa por equipes. Para os treinadores da equipe, a campanha foi histórica.

“Saldo maravilhoso. Conseguimos bater o recorde de Guadalajara 2011 e isso foi muito importante. Quero deixar aqui um abraço especial a todos os clubes que constroem o judô brasileiro, além da CBJ e do Comitê Olímpico do Brasil que nos dá todo suporte. Não falta nada para a comissão técnica e para os atletas e é por isso que os resultados aparecem. Então, muito feliz e daqui nove meses nos encontramos novamente em Paris”, disse Kiko Pereira, técnico da equipe masculina.

“O trabalho é feito realmente mirando os Jogos Olímpicos de Paris, mas claro que sempre queremos ganhar, sempre buscamos o melhor resultado. Estamos trabalhando com essa equipe mesclada, que tem atletas muito experientes e novatas, isso é muito importante e fortalece muito a equipe. O trabalho para o Pan foi diferente, tivemos que classificar para vir, foi a primeira vez que aconteceu isso. Mesmo com atletas multicampeões, medalhistas olímpicos e mundiais, eles estavam motivamos para estar aqui e buscar a medalha”, contou Andrea Berti, treinadora da equipe feminina.

O Brasil ficou com a prata ao ser superado por Cuba na luta de desempate por quatro a três. Gabriel Falcão (73kg) venceu Magdiel Estrada com um waza-ari e abriu 2 a 0 para o Brasil, já que Cuba não tinha atleta no peso 57kg. Idelannis Gomez (70kg) derrotou Luana Carvalho por ippon e Ivan Silva Morales (90kg) conseguiu um waza-ari contra Rafael Macedo para empatar o confronto. Beatriz Souza conseguiu dar o troco em Idalys Ortiz pela derrota na competição individual e venceu nas punições! Mas no sexto combate, Andy Granda (+90kg) conseguiu dar mais volume de luta e derrotou Rafael Silva nas punições (3-2), deixando tudo igual.

Um sorteio definiu qual peso faria a luta de desempate e a escolhida foi a +90kg, que fez com Granda e Baby voltassem ao tatame poucos minutos depois de encerrado o combate. A luta decisiva já começa em golden score e qualquer pontuação define o combate. Numa luta muito estudada, Rafael conseguiu abrir uma pequena vantagem nas punições, mas depois de seis minutos de combate viu o cubano dar três entradas seguidas e acabou sendo penalizado 3 vezes. Prata para o Brasil.

“É gratificante sair daqui com duas medalhas. Queria ter ido um pouco melhor no individual, queria ter dado esse ouro para o Brasil por equipes. Mas é judô e tenho que reconhecer que o adversário que estava ali também estava bem preparado, foi melhor. Mas estou satisfeito de ter podia dar tudo de mim e agora é focar nos próximos objetivos”, analisou o duas vezes medalhista olímpico, Rafael Silva, que, aos 36 anos, voltou ao pódio dos Jogos Pan-americanos depois de 12 anos, o mais velho a conquistar uma medalha. O mais novo foi Michel Augusto, com 18 anos.

“O Brasil foi bem. Atletas que foram bem nos Jogos Pan-americanos Júnior chegando com força total, medalhando, conquistando ouro. É muito bom poder ver essa renovação e estar participando desse momento. Poder dar o meu melhor no tatame, ver no que consigo melhorar, evoluir. Estou bastante motivado para seguir treinando, buscando essa classificação olímpica e tentar encarrar a carreira em Paris com chave de ouro”.

Campanha do Brasil na disputa por equipes
Quartas de final: Brasil 4 x 1 Venezuela
Leonardo Gonçalves (+90kg) finalizou Luis Amezquita com chave de braço.
Rafaela Silva (57kg) marcou waza-ari e ippon contra Fabiola Diaz.
Gabriel Falcão (73kg) marcou waza-ari e forçou 3 shidos em Sergio Mattey.
Aléxia Castilhos (70kg) sofreu ippon de Elvismar Rodriguez.
Guilherme Schimidt (90kg) venceu Carlos Paez com um ipponzaço.

Semifinal: Brasil 4 x 0 Colômbia
Rafaela Silva (57kg) venceu Maria Villalba com ippon e abriu o placar.
William Lima (73kg) derrubou Andres Sandoval com um ipponzaço e fez o 2º ponto.
Luana Carvalho (70kg) buscou o empate em waza-ari e forçou 3 punições para vencer Luisa Bonilla.
Rafael Macedo (90kg) finalizou Daniel Paz com chave de braço e colocou o Brasil na final da disputa por equipes.

Final: Brasil 3 x 4 Cuba
Brasil já começa com 1 x 0 no placar por Cuba estar desfalcada no 57kg.
Gabriel Falcão (73kg) venceu Magdiel Estrada com um waza-ari!
Idelannis Gomez (70kg) derrotou vence Luana Carvalho por ippon e descontou pra Cuba.
Ivan Silva Morales (90kg) empatou para Cuba com vitória por waza-ari sobre Rafael Macedo. 2 x 2.
Beatriz Souza venceu Idalys Ortiz nas punições. 3 x 2 para o Brasil.
Andy Granda superou Rafael Silva nas punições (3-2) e empatou.
Sorteio definiu desempate no +90kg.
Andy Granda voltou a derrotar Rafael Silva nas punições (3-2). Prata para o Brasil.

Foto: Wander Roberto/COB